15° ENCONTRO NACIONAL DE CICLOTURISMO

RELATO, REFLEXÕES E IMAGENS...

Foi na quarta-feira fria de outono, véspera de feriado de Corpus Christi, que cheguei  no meio da noite em Campos do Jordão  para participar do 15° Encontro Nacional de Cicloturismo.

Na escuridão da noite, quando descia o último trecho da estrada que leva ao Espaço Araucária, comentei com a minha amiga Priscila Favaro: "- Chegamos na floresta de Robin Hood dos cicloturistas."

Um Encontro que esse ano, em minha opinião foi muito especial. Não apenas pelo fato do Clube de Cicloturismo estar comemorando seus 15 anos de existência, mas pela presença de pessoas especiais reunidas num mesmo pedaço de floresta. Assim como era nas histórias de Robin Hood, aquele mítico e hábil arqueiro que viveu na Inglaterra no sec. XIII, juntamente com um "bando" de fiéis amigos.

Participantes, palestrantes e organizadores, todos reunidos com um único propósito, alimentar sonhos de aventura em uma bicicleta.  Acho que tudo combinou para tornar esse Encontro um evento de muitas emoções e contagiante energia.

Logo ao entrar no salão de palestras, uma série de fotografias contava um pouco da história de todos os Encontros realizados pelo Clube de Cicloturismo desde 2002, ano do primeiro Encontro. Uma verdadeira e saudosa viagem no tempo e que muitos desconheciam.

A cada dia do evento, os palestrantes com suas histórias envolventes, imagens fotográficas e vídeos de tirar o fôlego, nos trouxeram a sensação real de estar com eles nos lugares em que passaram... Relatos que fizeram o público sorrir, chorar, vislumbrar de perto o sonho da sua viagem de bicicleta em realidade.

Não tenho dúvidas de que cada relato tenha mexido com o coração e a alma de cada pessoa. Quem sabe, tenha feito cada um refletir sobre sua vida e o porquê de estarmos aqui nesse mundo.

"Uma árvore que salvou vidas e mudou o rumo de uma viagem. Uma pessoa que surgiu de repente e ofereceu ajuda num momento difícil. A descoberta de novos amigos como se fossem a nossa família replicada em vários lugares do planeta.  A coragem e sabedoria para atravessar vales e montanhas solitárias."

Esses foram alguns fragmentos de histórias extraídas de cada palestrante que lhes serviram como ensinamentos e reflexão para nós.  São mensagens ou sinais que nos dizem para não desistir do nosso propósito de vida. Cicloviajar!

Era nos passeios de bicicleta realizados pela organização do evento ou nas conversas de roda na companhia de amigos e de um bom vinho para espantar um pouco do frio, que os participantes também compartilhavam suas histórias de aventura. Todas cheias de empolgação e muitas risadas.

Foi com essa "vibração", de rever e fazer amigos, de dar asas à imaginação para o sonho de uma cicloviagem, que o encontro transcorreu por quatro dias, mas que infelizmente passou voando. O tempo foi um pouco injusto, poderia ter sido mais lento para chegar ao dia do final da festa.

No domingo, último dia da nossa "(con)vivência"  nessa "floresta",  acordei bem cedo. Quase ninguém deve ter visto que a lua ainda estava no céu logo nos primeiros raios de luz da manhã e contracenava o seu encanto com a natureza aqui embaixo. Fiquei ali no gramado caminhando e refletindo sobre tudo o que vivi e senti nesses quatro dias.

Queria agradecer pela presença de cada pessoa que partiu de um lugar diferente do país para estar ali. Agradecer pelos momentos que ajudaram a cada um de nós a se desligar um pouco da rotina do dia a dia. Um "desligar" que na verdade serviu para "ligar" nossa atenção para os nossos sonhos e desejos e nunca deixá-los adormecer.

A minha reflexão sobre o Encontro começa com uma analogia com a frase que mencionei sobre a floresta e as histórias de Robin Hood, que prezava a liberdade, vivia ao ar livre e amava a aventura.

Seremos nós um "bando" de amigos cicloturistas celebrando a felicidade, a amizade e nossos sonhos de aventura? Parece-me que sim, pois do contrário porque estaríamos todos aqui reunidos nesse canto da "Floresta" chamada Araucária?

Sobre os "arcos e flechas" da época de Robin Hood, penso que os arcos são nossas almas abertas para o mundo. E cada flecha, o sonho de cada um de nós lançados sobre uma bicicleta.

Não importa qual o sonho de viagem... Se descer a Mogi-Bertioga ou perder o fôlego através das belezas dos parques nacionais do Alaska, Canadá e EUA. "Viajar" pela Alemanha e Itália mesmo que seja pedalando pelo Vale Europeu brasileiro. Pedalar pelos visuais das incríveis montanhas da Espanha ou dar uma voltinha básica pelo mundo como alguns amigos fizeram e nos presentearam com suas histórias. Não importa o lugar... cada um terá a uma história mágica para contar.

Vocês se lembram do filme Highlanders? (risos)

Seremos nós "Highlanders", viajantes no tempo com nossos sonhos de aventura? Porque para viajar no tempo é preciso também ter a alma aberta, eu imagino. Tudo bem, vai! Sei que viajei um pouco nas imagens da "Highlands" da Escócia, mas é bem possível que isso seja verdade. Afinal, cicloturistas viajam sempre com a alma aberta... Tão aberta a ponto de receber uma taça de champagne entregue de dentro de uma luxuosa "Limusine", estando em cima de sua bicicleta em plena Las Vegas... Assim de graça, simplesmente por ter sua alma iluminada destacada em meio as luzes artificiais da cidade.

Por essas e outras, fica fácil compreender que basta apenas seguir e aceitar aquele tal "fluxo" comentado por um casal de palestrante que encantou a todos com sua simplicidade e humildade.  Assim, as coisas boas simplesmente acontecem. Pensem nisso!

Para concluir sobre o que penso da mensagem deixada desse 15° Encontro Nacional de Cicloturismo, vejam o que diz a alma aberta de Mário Quintana em um de seus belos poemas e me digam se estou certo sobre a minha reflexão. 

"A gente sempre deve sair à rua como quem foge de casa,
Como se estivessem abertos diante de nós todos os caminhos do mundo.
Não importa que os compromissos, as obrigações, estejam ali…
Chegamos de muito longe, de alma aberta e o coração cantando!"

Esta é a "Verdadeira Arte de Viajar".

Diante das lembranças desses dias mágicos, nos resta agora a expectativa de como será o próximo Encontro. Uma história que poderá ser vivenciada por pessoas como vocês, que acabam de ler esse texto.

Afinal o 16° Encontro Nacional de Cicloturismo começa agora, na imaginação de cada um de nós.

 

Walter Magalhães
Diretor - Clube de Cicloturismo do Brasil

 

Um agradecimento especial aos palestrantes. Abaixo a programação que pautou o encontro:

Bikes and Spices: Volta ao Mundo de Bicicleta

Karla e André percorreram 32 mil quilômetros e 40 países desde que saíram de Amsterdam, onde começaram sua jornada de volta ao mundo. Dentre os destinos estão alguns países da Europa, Marrocos, Ásia Central, Sudeste Asiático, Estados Unidos e América Central. O que mais importa para eles são as pessoas que cruzam seus caminhos. Conhecer a vida real. O nome do projeto BikesAndSpices veio da ideia de que pedalando é possível conhecer mais dos temperos da vida e também provar sabores dos mais variados.

André Cerri - 35 anos, fotógrafo, é cicloturista desde 2012 quando começou a volta ao mundo em bikes.
Karla Silva Cerri - 35 anos, nutricionista, também é cicloturista desde 2012.
www.facebook.com/BikesAndSpices

 

Uma jornada de aprendizados - Projeto Ciclogaia

Um casal viajando em uma bicicleta tandem reclinada, do estado de São Paulo até o Uruguai, em busca de vivências e aprendizados a respeito de agroecologia, alimentação, permacultura, educação e espiritualidade. Após 8 meses na estrada, as experiências mostraram-se ainda mais profundas e transformadoras do que jamais poderia ser previsto em qualquer planejamento de viagem.

Débora Ferrari e Guilherme Rubio são de tudo um pouco. Por formação, ela é designer e professora de artes; ele é biólogo. Juntos conseguiram a motivação necessária para saírem da zona de conforto e buscar viver o que realmente acreditam. Assim, descobriram o cicloturismo e realizaram uma viagem de oito meses, vivenciando a sustentabilidade em todas as esferas do Ser. Hoje vivem em meio à natureza num sítio no interior de São Paulo. http://projetociclogaia.wix.com/ciclogaia

 

Lançamento do Documentário: Entre salares e desertos, montanhas e vulcões – do altiplano andino ao atacama em bicicleta

No inverno de 2015 Olinto e Rafaela viajaram de bicicleta pelos desertos da Cordilheira dos Andes.  Além das atrações famosas como Uyuni, rota das Lagunas e Estrada da Morte, em roteiros pouco tradicionais, a bicicleta lhes mostrou pessoas humildes, simples e muitas vezes com a inocência característica de uma nação índia. Festejaram junto com os Aimaras seus mais de cinco mil anos de história e aprenderam sobre seus costumes, tradições e sincretismos. Mesmo com certa experiência em viagens, consideram esta uma aventura completa, pois chegaram muito perto de seus limites de forças e equipamentos.  O documentário, com 1h de duração, conta essa história de forma dinâmica, onde os cicloturistas dão dicas de viagem, demonstram as soluções para os problemas que encontraram e principalmente, passam ideias num vídeo que se parece com os textos de seus livros.

Antonio Olinto Ferreira - Nasceu no interior de SP, formado em direito pela PUC-PR. Em 1993 partiu para uma viagem de bicicleta pela Europa que acabou se transformando em uma volta ao mundo, descrita em seu primeiro livro "No Guidão da Liberdade". De volta ao Brasil assumiu a missão de divulgar o Cicloturismo em nosso país, criando o Projeto de Cicloturismo no Brasil. Desde então já publicou diversos livros, guias e documentários sobre as viagens pelo Brasil e pelo mundo. www.olinto.com.br

Rafaela Asprino - Nasceu na capital paulista, onde se formou e trabalhou por 10 anos como arquiteta, utilizando a bicicleta como lazer e meio de transporte. Após percorrer o Caminho da Fé, em 2007, conheceu Antonio Olinto e com ele a liberdade de uma vida simples fora da grande cidade. Em 2008 deixou os 2 empregos, alugou seu apartamento, vendeu o carro e passou a viver e viajar com Olinto, e a trabalhar no Projeto de Cicloturismo no Brasil. www.olinto.com.br

Trailer:

 

Lançamento do Livro: O Ciclista Mascarado

O roqueiro Neil Peart realizou uma extraordinária jornada de bicicleta por estradas de chão batido, encontros com milícias armadas e crises estomacais na África Ocidental dos anos 1990. Graças a esse meio de transporte – rápido para ir de uma cidade a outra em apenas uma manhã e lento o bastante para perceber a alegria das pessoas humildes pelo caminho – a longa jornada proporciona surpresas, choques culturais, momentos de fome, sede e conflitos internos. Este é o livro de estreia de Neil Peart, compositor e baterista do Rush, a lendária banda de rock canadense, publicado originalmente em 1996 e só agora traduzido no Brasil. O clássico indispensável para quem está disposto a viver, como o ciclista mascarado, uma emocionante e desafiadora aventura sobre duas rodas.

Este será o lançamento oficial do livro no Brasil, a representante da editora que vai estar presente é, claro, uma cicloturista. Infelizmente não teremos a presença do autor...

 

CicloAmérica - do Alasca ao Brasil

Em 2013 André Fatini viajou de avião para o Alasca, comprou uma bicicleta lá, e desde então vem viajando de volta para São Paulo. Percorreu os parques nacionais do Canadá e dos Estados Unidos, a América Central e América do Sul, sempre com um olhar curioso e bem humorado para o mundo a sua volta. Antes de viajar ele foi ao Encontro de Cicloturismo nos contar sobre o planejamento da aventura. Nos anos seguintes, por vídeo conferência, narrou para os cicloturistas do Encontro um pouco de cada uma das incríveis aventuras que viveu. Agora, neste ano ele estará acabando de encerrar a viagem e vai nos presentear com a vivacidade do viajante.

André Fatini - Professor de Física, realizou sua primeira cicloviagem aos 22 anos. Já pedalou pela Patagônia, o norte da Argentina e do Chile, além de contornar a ilha sul da Nova Zelândia. Durante todo ano de 2011 percorreu 15 países da Europa desenvolvendo o projeto "Etapa em 2 Rodas", que relaciona cicloturismo e educação de uma forma didática e contextualizada. Atualmente está finalizando sua viagem desde o Alasca: "Cicloamérica".
www.youtube.com/planetapedal

 

Highlands da Escócia de Tandem

Guilherme Cavallari e Adriana Braga completaram 20 anos de casamento e decidiram comemorar juntos numa cicloviagem, a primeira cicloviagem em casal. O destino escolhido foi, na verdade, inventado... 850 km de trilhas e estradas de terra cruzando as Highlands da Escócia de leste a oeste, acampando e dormindo em cabanas públicas a maior parte do tempo.


Guilherme Cavallari é um nome conhecido do cicloturismo nacional, fundador da Kalapalo Editora (www.kalapalo.com.br), é autor e editor de 17 livros com mais de 16.000 km de roteiros para mountain bike, trekking e cicloturismo detalhadamente mapeados e fotografados. www.kalapalo.com.br
Adriana Braga é psicóloga, professora de yoga e sócia da Kalapalo Editora, já fez roteiros de trekking selvagem no Brasil, Patagônia e Terra do Fogo e recentemente foi "infectada pelo vírus" do cicloturismo. www.kalapalo.com.br
 

Rota Transpirenaica - Incríveis Montanhas da Espanha

A alta cordilheira que divide a Espanha da França esconde uma beleza geológica e natural comparável a poucos lugares do mundo. Para chegar aos pontos escondidos dos Parques Nacionais e dos passos mais altos, Eliana e Rodrigo percorreram as montanhas acompanhando sua crista. Acamparam durante 20 dias, pedalaram com a autossuficiência necessária e com equipamento para montanhismo para as incursões a pé. A Transpirenaica é uma rota relativamente nova que está sendo cada vez mais procurada por aventureiros.

Eliana Garcia - Bióloga. Fundadora do Clube de Cicloturismo. Presta consultoria para implementação de circuitos de cicloturismo. Viaja de bicicleta desde 1988, destacando-se: Expedição Parques del Sur (4200km pelo Chile, Argentina, Uruguai e Sul do Brasil), além de vários países da Europa e América Latina, Sertão Nordestino, travessia do Pantanal, Chapada Diamantina, Chapada dos Guimarães, Terra Ronca e Chapada dos Veadeiros. Fabricante dos equipamentos AraraUna e proprietária da loja online www.cicloturismo.com.br

Rodrigo Telles - Engenheiro e montanhista. Fundador do Clube de Cicloturismo. Presta consultoria para implementação de circuitos de cicloturismo. Realizou diversas viagens de bicicleta desde 1998, destacando-se: Expedição Titicaca (Bolívia e Peru), Pantanal, Sertão Nordestino, Serra da Canastra, Chapada dos Veadeiros, Caminho de Santiago, Via Claudia Augusta, Travessia dos Alpes, Apeninos e Pireneus. Fabricante dos equipamentos AraraUna e proprietário da loja online www.cicloturismo.com.br